Hoje estreamos nossa coluna sobre o rpg de super-heróis ICONS, de Steve Kenson (M&M) que foi lançado no Brasil pela Red Box.

Para iniciar os trabalhos convidei o ilustre camarada, Dennys Diego, membro ativo da comunidade de ICONS no facebook.

Fala Galera!

Pessoal, quis começar com uma história com meu filho, porque acredito de maneira convicta no potencial do RPG como ferramenta de inclusão social, e no final das contas, ICONS é sobre “SUPERS” e poucas mentes compreendem a magia de uma boa história super heroica como a de uma criança.

Sendo assim, comecei uma sessão de ICONS com a minha família, e meu filhote não aceitou de jeito nenhum a proposta inicial de jogar com um personagem feito com poderes aleatórios (Você conhece a criação de personagens aleatória?). Ao menos não a princípio.  É bom citar alguns pontos importantes aqui pra que se possa dar algum crédito a ele… então vamos lá:

1- Meu filho é autista (sindrome de asperger é considerado um grau menor de autismo)
2- Ele é um grande fã do Homem-Aranha
3- Ele tinha acabado de assistir “HA – De volta ao lar”

 

 

Assim surge Spider Black!

Não deu outra… ele queria jogar com o Thor de qualquer maneira… Brincadeira!  Ele queria muito interpretar um personagem no melhor estilo do “cabeça de teia”, e dessa maneira eu optei pela sensatez, liberando lá os 45 pontos para criação de personagem. Ajudei o moleque a por a mão na massa e assim surgiu o Spider Black!

Os poderes de Spider Black

Logo de inicio, é inevitável não pensar nos poderes, de modo que desta maneira acabamos invertendo um pouco o padrão de desenvolvimento de personagem proposto pelo livro onde começaríamos pelas 6 habilidades. Sabíamos que o “Spider Black” assim como seu “muso” deveria contar com os seguintes poderes:

  • Escalar (pág 97),
  • Imobilizar (pág 99),
  • Saltar (pág 107),
  • Sensor de Perigo (pág 107).

Começando por “Escalar”, este não é um poder que requer valores altos para emular o básico a que se propõe: subir pelas paredes. Qualquer teste que por ventura venha a surgir para dificultar a escalada, deveria ser resolvido pela Habilidade Básica – Coordenação, e a menos que vc tema perder o poder devido a uma ação de “Anulação”, um valor “1” aqui já resolve a necessidade.

Em “Imobilizar” a coisa complica um pouco, pois seus níveis representam a resistência da “teia” no caso específico desse personagem. Meu moleque não aceitou nada menos que a dureza do Aço, então um ESPETACULAR “8” foi separado para esse fim.

Para “Saltar”, o personagem recebeu outro “1”. Vejamos bem: Com saltar 1-2, ele pode tranquilamente cobrir uma quadra (Distância 3), o que para o “Spider Black” que meu filho estava criando já era super maneiro! Novamente teremos testes nos utilizando de Coordenação, então temos que caprichar quando chegar a vez dela!

Por fim, chegamos ao aclamado “Sensor de Perigo” ou “Sentido Aranha” para os mais chegados. Em ICONS, a mecânica dele não emula perfeitamente o que vemos nas HQ’s ou mesmo nos filmes… mas ninguém deveria se prender a isso! ICONS te dá total liberdade para criar em cima da proposta, para que vc possa fazer as coisas da melhor maneira na sua mesa.

Na “Descrição de Poderes” da página 87, vemos na linha acima do super-poder “ABSORÇÃO”, uma das coisas mais importantes a respeito do sistema, sendo citada quando se fala dos LIMITES e EXTRAS propostos na descrição de cada poder: “…todos os extras e limites de poderes devem ser revistos pelo Mestre.”

Isso porque ICONS é um sistema leve, que incentiva a criatividade na hora de emular cada situação que possa surgir durante o seu jogo.

Sendo assim, deixei em aberto o funcionamento deste super-poder, além de manter seu bônus em testes de Atenção. Aqui colocamos um “5” e fechamos os super-poderes com um total de 15 pontos, o que nos deixaria ainda com 30 para gastar nas famigeradas Habilidades Básicas.

As habilidades básicas de Spider Black

O interessante, é que apesar de sair da área de escolha de super-poderes alguns poderes ainda se escondem por trás das Habilidades, e é aqui que precisamos voltar a refletir sobre o que o personagem costuma nos mostrar nas diversas mídias nas quais se apresenta.
Velocidade sobrehumana, Força e Vigor sobrehumanos.

Seus reflexos apurados tb são notáveis, então fica bem claro que vamos utilizar muitos daqueles 30 pontos nas 3 primeiras Habilidades de nossa ficha: PROEZA, COORDENAçÂO e VIGOR. Não buscamos um Peter Parker perfeito, então tudo mais pode ficar nos níveis humanos cujo valor é 3. Definido isso, temos:

PROEZA:?
COORDENAçÃO:?
VIGOR:?
INTELECTO: 3
ATENÇÃO: 3
VONTADE: 3

Dos 30 pontos que nos restavam, gastamos mais 9, o que nos deixa ainda com 21 pontos para o restante da distribuição. Colocar 7 pontos em cada uma das Habilidades, já nos permitiria acessar algumas das “Façanhas” a que as condições nos dão direito (Se você tem dúvidas a respeito das Condições, não se preocupe… logo falaremos mais a fundo sobre elas por aqui…). Mas não é o que faremos nesse post.

Um “8” em Coordenação é justo. Outro “ESPETACULAR” para a Habilidade que provavelmente será a base para muitas das ações de nosso aracnídeo genérico. Com isso, ainda temos 13 pontos para PROEZA e VIGOR. Meu filho é categórico aqui, e então escolhe um “7” para VIGOR (Ele consegue levantar um ônibus pai!) e um “6” para PROEZA (pra poder bater em todo mundo!).

Ele consegue levantar um ônibus pai! (…) pra poder bater em todo mundo!

Esse tipo de criação de personagem não valoriza as Especializações. Isso porque elas nos permitem ter algum bônus, e não necessáriamente limitam aqueles que não as possuem. Mais uma vez, fica a critério do narrador cobrar isso ao longo das sessões. Expliquei a ele o conceito, mas para ele já era o suficiente. E talvez fosse mesmo nesse caso.

Um toque de caos

Uma coisa da qual não abri mão no entanto foi da rolagem para “ORIGEM DOS PODERES”. Os 2D6 nos trouxeram um “7”, e ele descobriu ter nascido com poderes ao invés do clichê com a tal aranha radioativa…

Definimos porém, que os poderes acabam por revelar-se no inicio de sua adolescência, logo só recentemente ele começou a lidar com suas novas capacidades.
Um outro diferencial aqui, é o tipo de cenário na qual ele iria viver suas aventuras. Ele vive em um mundo pós-apocalíptico onde um super vilão dominou o planeta, e derrubou boa parte dos grandes super-heróis icônicos.

Design e Ficha de personagem!

Segue abaixo a ficha para quem quiser usar o Spider Black em suas mesas.

Como meu filho ainda fez questão de desenhar o personagem, então segue a obra de arte e a ficha!

DOWNLOAD: GdM-PH01-SPIDER-BLACK.pdf (77 downloads)

 

Arte original do Spider Black – Autor: Gio, o filho do Dennys.

Ficha do Spider Black (Clique na imagem da ficha pra baixar o PDF)

Próximos capítulos

Na próxima trago mais um personagem. Ela se chama “Divisão”, foi rolada dentro dos conformes de aleatoriedade, o que na minha opinião é uma das melhores coisas que ICONS nos trás. E é a personagem da minha filha.

Deixa ai nos comentário o que vcs acharam do “Espetacular Spider Black”.

Garanto que o Gio vai curtir saber o que vcs acharam do personagem dele

Abraço!

Dennys Diego