Olá Mestres e aventureiros, ouvi algumas histórias sobre uma tal de “Esquadra dos malfeitores”, isso me fez lembrar de alguns lugares e situações perigosamente interessantes, querem ouvir mais sobre?  

Inspirado pelos relatos da Esquadra dos malfeitores, hoje venho trazer a vocês alguns perigos e situações que podem acontecer em praias ou no literal do mundo real, mas como sempre baseado no real para criarmos o fantástico. Querendo prover ideais e ajudar os criadores de conteúdo a criarem aqueles momentos e cenas com muito Sol, sal e areia. Existem lugares que inspiraram ideia e cenas dignas de filmes, e quem não sabe alguns deles já buscaram inspiração nesses lugares.

Do caixote pro caixão.

Quem nunca se detraiu na praia e levou um belo de um “caixote”, ser derrubados por uma onda não tem idade ou credo, pode acontecer com qualquer um. Existem uma lugar onde ser pego por um onde, não é só motivo de vergonha, pode ser questão de vida ou morte. Ondas gigantescas já são perigosas por si só, porém somadas com correntes traiçoeiras são uma combinação fatal.

Existem uma Praia localizada no Havaí (EUA) chamada Hanakapiai, conhecido por ondas e correntes marinhas mortíferas.  Existem placas espalhadas pela praia sinalizando a periculosidade da praia. Uma das placas de Hanakapiai indica o número de vítimas de, e tente a crescer todas vez que alguém ignora os múltiplos avisos.

Praia de Hanakapiai.

placa de aviso

 

Pode parecer uma situação simples e comum de uma praia, mas superar uma força natural e impiedosa das ondas e corrente podem ser mais difíceis que os aventureiros podem imaginar. Então tornar as ondas e as correntes de uma praia desafios letais a serem superados, é algo a se pensar.

Então contornar ou superar essas dificuldades, podem exigir boas rolagens dos aventureiros que desejam chegar ou sair de alguma praia. Enfrentar um força natural que não descansa e nunca sessa, pode ser mais opressor do que se imagina.

Não sei de dia, mas surfar a noite nessa praia não é pra qualquer um, ainda bem que sou imortal.

Olhe por onde nada.

Vespar-do-mar (Chironex fleckeri)

Longe da agitação de ondas fortes e gigantescas, existem perigos muito menores e silenciosos que podem ser tão mortíferos quanto ou até mais. Existem criaturas marinhas que podem ser um perigo sutilmente fatal. Algumas praias, principalmente na Austrália, sofrem de um grande problema de cubozários. Esses animais pertencem ao filo cnidária (mesmo filo das águas-vivas), o representante mais conhecido desse grupo é a vespa-do-mar (Chironex fleckeri). Esse animal possui um veneno letal e ele é o motivo de muitas mortes nos litorais da Austrália.

Um exemplo é Trinity Beach, no norte da Austrália, onde é um local muito comum de encontrarmos esses animais, ainda mais nadando em grandes grupos. Banhistas desavisados que acidentalmente encontram esses animais na água e tem contato físico com eles, não tem muitas chances de saírem intactos desse encontra, nem vivos.

 

Se desejar tornar essa situação mais fantasiosa do que ela é, posso ajudar. E se ao invés de usar águas-vivas ou vespas-do-mar, que são silenciosas, usássemos outro cnidário mais “chamativo” como a Caravela (Physalia physalis). 

Caravela (Physalia physalis)

Esse animal de aparência peculiar seria uma boa alternativa para a situação, por causa do seu visual irado e seus tentáculos mortais. Imaginem a mesma situação do objetivo submerso, porém com a visão de enormes “balões vivos” flutuando na superfície de onde eles precisam mergulhar, mas sabendo que basta um toque dos tentáculos submersos para ser o fim de suas aventuras.

Esse animal de aparência peculiar seria uma boa alternativa para a situação, por causa do seu visual irado e seus tentáculos mortais. Imaginem a mesma situação do objetivo submerso, porém com a visão de enormes “balões vivos” flutuando na superfície de onde eles precisam mergulhar, mas sabendo que basta um toque dos tentáculos submersos para ser o fim de suas aventuras.

 Essas criaturas “queimam”, mas pra mim, não tanto quanto o sol.

Sol, dentes, areia e sangue.

crocodilos-de-água-salgada (Crocodylus porosus)

Outra Situação não muito explorada e não muito difícil de acontecer, dependendo da região, é a presença de crocodilos-de-água-salgada (Crocodylus porosus) na praia.

Considerado o maior réptil de atualidade, essa espécie estende seu território por praias banhadas pelos oceanos Indico e Pacífico, sendo mais comum no Norte da Austrália e Nova guiné. Esses animais têm como habitat áreas de transição entre água doce e salgada, conhecidas como estuários, mas também comumente encontradas nas áreas costeiras de mar aberto.

Nem todos os perigos da praia então vinculadas somente ao mar,  nem todas as mordidas são dadas dentro d’água. Muito aventureiros tem a ideia de estarem a salvo por chagarem na areia, mostre a eles que crocodilos também caçam a noite na areia da praia.

Vale a pena citar um certo capitão pirata da literatura que detesta crocodilos, para aqueles que não conhecem a velha história de Peter Pan, o capitão gancho tem sua mão devorada por um crocodilo, juntamente com seus despertado.

crocodilos-de-água-salgada (Crocodylus porosus)

Pra de Gansbaai.

 

Quando pensamos em perigos ou morte no mar, em algum momento pensamos em tubarões, um terror clássico dos setes mares. Esses animais são realmente perigosos quando querem ser, e existem lugares onde esses animais costumam se concentrar.

A praia Gansbaai , localizada na africa do sul,é um grande exemplo real de praia conhecida pela grande concentração de tubarões brancos. Graças á grande presença dos tubarões nessa praia, ela recebe um apelo turístico por esse motivo exótico.

Se por algum motivo você não conhece essa espécie de tubarão, se trata apenas de um dos maiores predadores marinhos que são capazes de chegar a medir cerca de 7 metros e pesar algumas centenas de quilos apenas.

 

Turistas interagindo com tubarões brancos.

Então se quiser usar essas situações em sua aventura, não tenha receio, pode se uma situação comum. Uma baia ou praia conhecida sua grande concentração de tubarões. Imagine que os aventureiros precisam buscar de algum item que estava com um personagem que “andou na prancha” na “Baia dos tubarões” .  Por mais que tubarões seja uma situação clichê de aventuras marítimas,  o que vai diferenciar é a forma que você pode abordar essa cena.

Eu sei como é o cheiro de sangue, só que eu não sinto ele na água. 

Lembre-se que sempre há soluções diferentes para os mesmos problemas. Uma ilha pode guardar muito perigos, e bons aventureiros precisam se preparar para tudo que vier pela frente, até mesmo nas praias. Pega-los de surpresa, já na praia, é algo que você como mestre pode fazer, ou até mesmo mostrar que nem toda praia é aquele “paraíso tropical”.

Se você gostou, não esqueça de curtir e compartilhar o post, isso ajuda bastante a Guilda a saber sobre a qualidade e a aceitação do nosso material.

Se você tiver alguma opinião ou sugestão pode deixa-la nos comentários, com certeza ela será lida e respondida.

Alguns amam ver a nascer do sol na praia, mas pra mim não faz bem a saúde, Fuiii!