Nesta nova série de postagens vamos estudar as megamasmorras!
As postagens dessa série são voltadas para os mestres, guardiões e juízes de jogo, onde iremos abordar a construção, condução e sessões de jogo voltados à exploração de um complexo subterrâneo de grandes proporções. Para uma boa experiência dos seus jogadores, você deve planejar pouco além de lendas iniciais e um mapa guia para uma das possíveis entradas da masmorra.

O fato é, nunca deixe totalmente claro o que os jogadores podem encontrar nos caminhos tortuosos.
Então vamos as ferramentas necessárias para criação de uma megamasmorra ao estilo OSR.

Mapeando

Você tem total liberdade para criar manualmente ou utilizando recursos digitais a sua masmorra. Todavia, com o advento da tecnologia hoje é possível acessar sites como o Donjon, Myth Weavers, Wizards Mapper e Wizardawn and Magazine.
Todos esses sites possuem ferramentas de geração de mapas, logo poupa bastante o processo de mapeamento durante a construção.

É importante decidir se sua masmorra será horizontal ou vertical. O costume é de trazer níveis interconectados, todavia Barrowmaze (sim, tenho muito carinho por esta lindeza) nos propõe a horizontalização do complexo tornando o gerenciamento de recursos e tempo cruciais.

Use e abuse de passagem secretas. Nem todos os caminhos e tesouros devem estar à vista.

Já em jogo, incentive seus jogadores a fazerem seus próprios mapas. Jamais desenhe tudo e entregue a eles os caminhos. Caso utilize grid, miniaturas ou cenários customizados exija testes para que os personagens lembrem de fracções dos caminhos ou utilizem ferramentas de localização improvisadas para não se perderem.

Povoando sua masmorra

A utilização de um bom livro de monstros, um guia de armadilhas e gerador de tesouros é vital neste momento.

Esqueça os encontros balanceados. Se sentir desejo de colocar um vampiro naquela grande sala da sua masmorra, faça isso!

Crie facções que habitam o local. Talvez cultistas, orcs, goblins e bandidos estejam lutando para conquistar um certo trecho da masmorra que tenha algo de valioso ou possibilite uma estrategema não convencional.

Busque criar possibilidades, criar reações inusitadas por parte daqueles que habitam a masmorra, procure usar de forma inusitada a criatividade e fuja de chutar a porta, matar o monstro e pilhar o tesouro.

Escolher temas para um determinado grupo de salas é uma excelente opção.

“Aranhas gigantes fizeram um ninho em um trecho da masmorra, portanto os sinais devem surgir antes na forma da ausência de pequenos roedores, em pequenos estalidos e/ou teias de aranhas. ”

O que nos leva a…

Descrevendo as salas

https://i1.wp.com/www.videogamesartwork.com/sites/default/files/images/image/1372930575/darksiders2_environment_dungeon.jpg?resize=491%2C376&ssl=1

Evite salas vazias. Sério.

Cada sala deve possuir informações, desafios ou recompensas. Como já falei anteriormente, nem sempre a vista.

Procure abusar dos sentidos dos personagens para dar vida e imersão a exploração.

“A parca luz das tochas combate a escuridão quando a frente de vocês surge um encontro de três corredores. O arco da direita possui arranhões nas paredes e o aroma de umidade indica que pode haver uma área alagada em algum ponto se seguirem por este corredor.
A passagem da esquerda possui falhas nos pisos e o que aparenta ser os restos mortais de um explorador, talvez significando que outrora uma armadilha possa ter sido ativada ali. E por fim o corredor que segue em frente mostra um rastro de sangue e os ouvidos mais atentos podem detectar uma baixa respiração…talvez algo esteja antevendo a chegada do grupo…”

Dê indícios do que os jogadores vão aguardar. Sussurros das almas dos mortos aprisionados ali, os gritos oriundos da tortura que os prisioneiros sofrem, restos mortais pelos corredores…

Tabelas

Possua tabelas de encontros aleatórios para determinados trechos da masmorra. O barulho dos jogadores deve atrair criaturas, monstros e bandidos.

Cogitar o pernoite dentro da masmorra deve ser um terror para o grupo.

Da mesma forma que itens aleatórios possam surgir entre os tesouros.

“Em Barrowmaze existem tabuletas rúnicas espalhadas por todo o complexo e apenas ao encontrar com uma, o mestre deve rolar para descobrir as capacidades místicas daquele item. Tornando ele único. ”

Pichações podem ser encontradas nas paredes indicando que saqueadores já passaram por ali, a arquitetura das salas pode variar, sarcófagos podem trazer diversos mistérios, entalhes nas paredes contando lendas e histórias, entradas de longas sessões, joalheria e muitas outras coisas podem ser obtidas através da aleatoriedade.

“Abrace o caos e tenha sessões inesquecíveis. ”

Temática

Qual a temática da sua megamasmorra?

É a cidade de um povo misterioso que outrora desapareceu? É uma nave intergaláctica que sofreu um acidente e caiu neste planeta a milhares de anos?
Pode ser um caminho para o centro da terra, a tumba de um deus morto, o caminho para o reino das almas ou qualquer outra coisa.

Não revele logo de cara a razão da existência e origem do complexo. Povoe com lendas, fantasias e superstições a mente dos jogadores para que a mente deles trabalhe.

Nossos próximos passos juntos

Na próxima postagem traremos ideias para povoar os arredores da sua megamasmorra e como o gasto de renda pode alterar a comunidade ao redor do local. Na terceira postagem dessa série traremos regras opcionais e maneiras de lidar com o avanço de nível de forma diferente.

Murderface, O Cérebro no Jarro