A arte de colocar os pau mandado em péssimas situações.O jovem que carrega uma tocha corredor da masmorra abaixo. A costureira que remenda suas roupas e o prepara para conhecer o Rei. A guarda que vigia seu acampamento noturno, permitindo que seu sono não seja perturbado antes da caçada ao dragão que sequestrou as riquezas dos mercadores.
Esses são os personagens contratados e mercenários: homens e mulheres que os personagens dos jogadores angariam ao seu redor para tornar suas viagens e missões mais fáceis.

Nos tempos em que jogar era mais que rolar dados, esperava-se que os jogadores construíssem um séquito de mercenários e seguidores para facilitar a vida nos letais encontros que o jogo proporcionava. Não haviam condições de sobreviver a uma longa campanha apenas com os personagens do grupo.

Agora as coisas são diferentes…os personagens sempre têm um truque para sair de qualquer situação.

De toda forma, no estilo antigo de jogo logística era algo importante. Contratar um cozinheiro para não se preocupar com rações de viagem, batedores para verificar o terreno a frente, um guia local para ter certeza de não entrar no território dos trolls e muito mais.
https://i2.wp.com/3.bp.blogspot.com/-hnftPCjE4iY/VvyBRm_OFjI/AAAAAAAAiO0/pwVj60eQx3o96naQpYwVPJpGV-A5VXyIg/s1600/Henchman%2B05.JPG?w=676&ssl=1

A pilhagem servia para fornecer os meios afim de avançar uma agenda própria ou do grupo. Quem sabe se algum deles não deseja se tornar um nobre, gerenciar seu próprio território ou ainda construir um belo castelo?

O uso de Mercenários para salvaguardar seus interesses e Seguidores para cuidar dos seus assuntos de interesse é uma bela maneira de resolver esses problemas. Os Mercenários e Contratados são similares aos Seguidores, porém suas posses e participação na história serão menores.

Claro, manter o controle desses NPCs pode gerar uma demanda de anotações maior do que o comum, mas os benefícios são muitos!

A cultura do uso desse tipo de NPC se perdeu a medida que os personagens se tornavam super heróis medievais com inúmeras capacidades fantásticas.

Todavia, quando tratamos de jogos ao estilo antigo, mesmo transportar um tesouro era uma grande empreitada. Carroças podem ser notadas por bandidos e toda sorte de dificuldades podem surgir nesses casos.

Mercenário

https://i1.wp.com/1.bp.blogspot.com/-8NnSrKy83YY/VvyBRaY2PZI/AAAAAAAAiOs/ph-3U_zScW4z49lpmdfXDTowxaOU0yTqA/s1600/Henchman%2B01.jpg?resize=194%2C488&ssl=1

Recompense bem o cara que carrega o peso das suas tralhas enquanto você desfila com sua armadura completa

Um Mercenário (ou Contratado) é alguém que vende seu trabalho por dinheiro.

Para ter Contratados e Mercenários não é necessário muito. Encontre-os em um assentamento ou vilarejo e de acordo com as necessidades ao seu empreedimento contrate aqueles que achar úteis. Todos eles terão um preço.
Talvez o Juiz do Jogo exija alguma rolagem de carisma (sim, esse atributo é importante), afinal ninguém gosta de trabalhar para um chato.

Pode ser um alquimista que fará poções para o grupo, um séquito de clérigos da fé do personagem do jogador que prega palavras de cura, ou até mesmo bardos que criam canções ou lendas sobre o grupo para espalhar a fama dos aventureiros pelas terras conhecidas…

Forças armadas também podem ser contratadas, já que talvez derrubar aquele exército inimigo seja impossível a realidade dos jogadores. Mesmo em masmorras ter braços extras é uma garantia de sobrevivência, pois diferente dos jogos atuais onde todas as aventuras são projetadas para a realidade de poder dos personagens, no estilo antigo facilmente os personagens poderiam encontrar algo de uma natureza superior e a sessão terminar com rolagens de dados para novos personagens.

Em toda comunidade , sempre haverão aqueles dispostos a fazer serviços sujos por uma ou duas peças de ouro.

Existem diversas tabelas na internet para os serviços disponíveis que os jogadores possam ter interesse a vir a contratar em uma campanha, use-as ou as crie ao próprio gosto.

Seguidores
https://i2.wp.com/2.bp.blogspot.com/-FvMeVJ2iOwg/VvyBRQ5TNhI/AAAAAAAAiOo/wlD2xZ0_JjQddDbrBaMJo4Ex8_8O6UJgQ/s1600/Henchman%2B03.jpg?w=676&ssl=1

Seguidores são pessoas de confiança dos personagens.

Os Seguidores se aproximam mais do que os personagens dos jogadores são. Possuem vontade e desejos próprios, agindo como coadjuvantes as ações do grupo e passando de nível conforme sua participação em jogo.

Clérigos podem angariar acólitos em prol da sua fé, guerreiros lendários por suas habilidades atrair aprendizes da sua arte de combate, ladrões possuírem sua própria guilda de salafrários e aprendizes para os magos…

A fama e renome obtidos através das sessões de jogo em certo nível irão convergir no reconhecimento do mundo. Isso é importante para prover senso de recompensa além de níveis e ouro.

Esses Seguidores vem como a resposta para estas situações. Títulos de nobreza podem ser oferecidos aos carrascos da Besta de Bogenhofen que exigia oferendas e sacrifícios anuais ao Rei.

Os Seguidores irão cumprir os interesses pessoais dos jogadores em um território ou servir como braço direito deles sobre os Contratados. Também podem vir a se tornarem os novos personagens dos jogadores caso aconteçam baixas no grupo.

Um mago aleatoriamente criado é mais confiável do que Tahar Majin, o aprendiz do finado Altair Mãos de Fogo, o mago das chamas antigo personagem do jogador?

O preço pelo poder

Griffith construiu ao seu redor um grande exército e sob sua bandeira, o Bando do Falcão ganhou uma guerra que duravam anos. E para conquistar seu sonho, ele trocou tudo isso por algo maior que ouro e glória…

Claro, os custos de ter esse tipo de NPC podem ser altos. Manter a fidelidade deles se deve ao carisma, fama e pagamento que os personagens possam os prover. Muitos Juízes de Jogo ruins usam esses personagens para trair, assassinar ou roubar os personagens dos jogadores. Não é essa a função primordial dos Mercenários e Seguidores, eles devem ser utilizados para facilitar a vida dos personagens. No desenrolar da história, tudo pode acontecer é claro. Portanto, sempre tratem os NPCs com carinho.

As consequências de construir um bando são fenomenais. Dominar um território e construir fortalezas que em campanhas futuras podem ser usadas como referência, lar de lendas antigas sobre heróis familiares ao grupo e um senso de que as ações do grupo refletem na história.

Usando eles em jogo

Caso o perfil da sua mesa permita a utilização desse fantástico recurso, não poupem tempo para usá-los e descrever as possibilidades para seus jogadores. Aproveitem o leque de opções que podem ser abertos ao explorar isso, além de fornecer novos desafios que apenas o trabalho em conjunto dos jogadores com os recursos dos personagens sejam capazes de solucionar.

Para os jogadores, utilizem sabiamente seu ouro! Em níveis iniciais muitos problemas podem ser evitados tendo ao seu lado Mercenários que trabalharão por 1/10 daquele tesouro.

Concluindo, o espírito da escola antiga nos diz que trazer elementos que venham a solucionar as limitações de pouco poder em jogo, são importantes.

Na Guilda dos Mestres por exemplo, temos nosso próprio zelador…