Acompanhe a campanha de piratas da DM Mônica e um PvP de quebra!

Saudações, canalhas! Hoje meu relato será sobre improviso e deixar os jogadores tomarem conta da mesa. Risos.

Entre as sessões eu deixo os jogadores livres para realizarem e sugerirem ações que serão usadas em jogo. Essa atitude acabou gerando algumas coisas inesperadas e bons plots interpretativos. Um dos casos foi tanto que gerou uma sessão extra de sidequest.

Capítulo 3 – Apostas, duelos e improviso

Primeiro aconteceu com o Lucas (Anike). Durante a sessão anterior sua personagem cortejou, com sucesso, uma atendente de taverna. Aproveitei a ação para usar na trama, fazendo o pai da moça desafiar a personagem do jogador para um duelo em honra da filha e o duelo seria a primeira coisa da aventura seguinte. Fiquei feliz em como o Lucas levou a ideia adiante, funcionou super bem.

A partir da ação do Lucas, o Renato (Qüeni) se mostrou contra o duelo, num discurso “pacifista”. Mais uma vez aproveitei o ensejo e na hora inseri um puck concordando com o discurso e se apresentando como degustador de vinhos. Como tinham bebidas dentre as coisas do último saque, o Renato teve a ideia de levar para o puck avaliar o preço e ele e o Pedro (Macário) levaram amostras do saque. Nisso, o puck se ofereceu para comprar parte dessas bebidas e deu um calote neles. Também será usado mais adiante.

A pérola das ideias veio do Pedro. Ele disse que seu personagem foi beber e jogar cartas acabando na chácara de um senhor rico. Com a empolgação do momento, o velho resolveu apostar a chácara dele contra o Víbora Escarlate e ele perdeu. Obviamente, gerou uma sidequest que acabou virando uma sessão inteira.

Nada me deixa mais feliz que ver os jogadores criando ideias assim, mostra o envolvimento e vontade de fazer parte da história!

Os jogadores chegaram à conclusão que assassinar o dono da chácara seria a melhor solução, pois o senhor era irredutível, não aceitando qualquer negociação e não queriam que a capitã descobrisse com medo da reação. Quando comecei a planejar a sidequest a partir da ideia do Pedro, queria que fosse algo rápido. A princípio, participariam o Pedro e o Lucas, tendo um NPC os ajudando. Montei um mapa da chácara, grupos de guardas fazendo ronda (em cada grupo 1 guarda 3 DVs, 1 guarda 2 DVs e um cachorro com upgrade) e um capataz mais forte dentro da casa para enfrentarem.

Tudo certo e arrumadinho! Um pouco antes de começarmos, convidaram a personagem do Renato (Qüeni) para participar também. Beleza, tudo certo… Chegou na hora estavam quase todos, sendo que os personagens do Marcelo (Allister) e do Bruno (Flint) não sabiam o “evento”. Hora de improvisar…

Enquanto os que estavam envolvidos na tentativa de assassinato se esforçavam para saírem escondidos, permiti aos que não sabiam do ocorrido tentarem perceber que os outros personagens estavam escapulindo. Conseguiram perceber e, para não ficarem de fora do jogo, fiz a NPC incentivar a irem verificar aquele sumiço.

Players versus Plyers

Grupo divido: parte se infiltrando na chácara para matar o dono e parte indo atrás dos primeiros, entrando no local pela porta da frente para descobrir o motivo daquilo. Não deu outra: aquele tal de PVP… Tento evitar PVP ao máximo, mas às vezes é impossível, então abracei o caos!

Surgiu uma enorme rixa entre os personagens do Pedro e do Marcelo, a ponto de Macário apontar arma pro Allister e levar um tiro da capitã. Isso fez com que quase todo o grupo colocar-se contra o mago (Marcelo). Isso causou ainda mais tensão, uma vez que o mago é o homem de confiança e melhor amigo da capitã, criando tensão em como resolver a situação.

Decidi fazer a NPC ficar num posicionamento mais neutro, contornando a situação de maneira pouco satisfatória e aumentando o conflito dentro do grupo. Como disse, decidi abraçar o caos, se é pra jogar a lenha na fogueira, coloquei a árvore inteira! Não faria um NPC resolver o problema, os jogadores que se virem. Confesso que também fiquei com medo de que mesa acabasse (com todos os personagens se matando), o que também ajudou na minha decisão por uma manifestação branda da personagem. Mais tarde, precisei fazer com que ela se posicionasse, ainda assim a rixa continua.

No final, muito roleplay para tentar resolver as questões que durou bastante tempo. Fiz com que a NPC conversasse em particular com cada personagem, o que me possibilitou colocar mais os personagens na história e entender como cada jogador/personagem estava pensando da treta toda. Acho que foi profícuo, senti que fez com eles se envolvessem.

O plano B virou A

O mais legal de tudo é que isso só aconteceu devido à ideia do Pedro. Ele me deu a história de presente e o que era para ser uma sidequest rápida, virou uma sessão inteira e fez total diferença na história e nas relações entre os personagens dos jogadores e NPCs.

Pedro, quando leres isso, saiba que estou te agradecendo! Risos.

O Marcelo, como sempre, também foi genial fazendo um personagem forte e inflexível. O Lucas também fez um posicionamento forte que fez muita diferença nos resultados do evento. Gostei também da postura do Renato, mantendo o ponto de vista “pacifista” e tentando fazer as coisas para minimizar os danos sempre. E o Bruno se mantendo neutro e optando por saídas “espertas”.

Diário de bordo da capitã

Muito satisfeita com o todo, termino com mais um diário mostrando os eventos sob ponto de vista da NPC. Segue abaixo o PDF (2 páginas) falando sobre os acontecimentos que se desenrolaram nesta sessão.

Download:  GDM-Diario-Vibora-Escarlate-3.pdf (83 downloads)

Bons ventos a todos!