Apesar de jogar tudo que é jogo que cruza o meu caminho, em essência eu sou um mestre Old School e hoje eu quero bater um papo sério sobre a atitude dos mestres, principalmente os que possuem mesas de jogos OSR. Usarei como ponto de partida outro assunto, o famigerado TPK (total party kill).

Temos um TPK quando todos os personagens dos jogadores morrem numa mesma cena ou combate.

Tem algum tempo que eu noto a recorrência do assunto TPK em grupos do Zap, redes sociais e perguntas no meu inBox. Veja bem, eu sei que a taxa de mortalidade nos jogos OSR tende a ser mais alta, afinal são magias, armadilhas e monstros com capacidade de matar facilmente qualquer personagem, inclusive sem rolagem de dados. Entretanto, eu acho que existe um exagero e que muita gente fala de TPK com um “brilho nos olhos”, como se isso fosse grande coisa. Mas essa fixação por TPK ou em ter fama de mestre cruel pode ser parte de um problema maior.

Tá certo que muita gente fala de zoeira e tal. Eu mesmo, sempre que jogo com meu parceiro Diogo Nogueira, brinco dizendo que ele “joga pra ganhar”, pois os desafios que propõe são realmente sinistros. Também gosto de dizer que sobrevivi às aventuras  que joguei com os mestres da editora Red Box, como Rafael Beltrame, Fabiano Neme, Igor Moreno e Dan Ramos. Brincadeiras a parte, o que eu constatei jogando com a galera é que bons mestres não buscam TPK, mas sim uma sessão divertida e memorável, o que geralmente é proporcional ao nível de desafios e perigos apresentados aos jogadores.

Se você se orgulha de matar todos os personagens dos jogadores, pode ficar sem jogadores!

Saiba quando correr…

Eu li e recomendo fortemente a leitura do artigo “A Quick Primer for Old School Gaming” de Matthew J. Finch. Este maravilhoso texto apresenta os pilares do jogo Old School. O texto deixa claro que a sagacidade dos jogadores é que deve ser posta à prova. É literalmente desafiar os jogadores e não suas fichas de personagens. Alinhado com isso, temos personagens heroicos, mas não poderosos e um cenário desnivelado com a força do grupo, o que pode certamente levar a um TPK. Mesmo assim, eu nunca tive um TPK em minhas mesas e na verdade poucos personagens vieram a morrer de fato. Sei que alguns jogadores são bem estúpidos e burrice leva a morte, afinal os jogadores devem arcar com suas decisões, mas não é disso que eu to falando.

Bem, eu não tô aqui pra dizer que você joga errado e nem pense que eu sou protetor dos jogadores, mas eu vejo um problema na forma como algumas pessoas conduzem seus jogos, principalmente algumas que relatam vários TPK em suas mesas.

Muitos gostam de ressaltar que os jogadores precisam saber a hora de correr, que o mundo não é balanceado e que os personagens são apenas aventureiros comuns, e isso é um fato no jogo OSR! Mas na mesma linha onde Finch diz que os jogadores precisam saber quando correr, também diz que um bom mestre(a) é imparcial, que ele não favorece os jogadores e nem os monstros*.

É aqui que a galera erra! Tem muito mestre(a) “jogando para ganhar” de fato! Estes são os que eu chamo carinhosamente de…. babacas!

* Know when to run.

A good GM is impartial: he doesn’t favor the party, and he doesn’t favor the monsters.

O bom, o ruim e o babaca.

Não vejo problema em um mundo de jogo não balanceado e que os personagens encontrem inimigos mais fortes, mas será que todo mundo que aparece precisa ser mais poderoso que os jogadores e estar sedento por suas almas? Todo tesouro que eles pegam precisa ser roubado ou todo item mágico amaldiçoado? Será que realmente toda sala de dungeon precisa ter uma armadilha e todo npc tem que trair o grupo? E o pior, porque todo monstro precisa lutar ate a morte, mesmo quando o bestiário ressalta sua covardia, ganância e baixa moral? Isso é ou não é forçado?

Cobramos muito por parte dos jogadores, mas as vezes esquecemos de fazer nosso dever de casa.

Talvez por isso, exista tanta gente sem mestre para jogar.

Mestre(a) babaca tem em tudo que é jogo, mas num jogo OSR causa mais estrago ainda, pois se escorando na regra de ouro e no status “divino” concedido ao mestre,  agem de forma tirânica, sádica, misógina, racista e outras merdas escrotas. É por isso que algumas pessoas evitam jogos OSR e enveredam para jogos com regras mais abrangentes ou com narração compartilhada, mas insisto…. tem babaca em todo canto!

Tá, eu sei que muitos não gostam do estilo old school e outros realmente preferem jogar com personagens super fodões. Há quem diga se ferrar muito na vida real para repetir a dose no RPG, mas existe uma galera que realmente gosta do estilo Old School ou que nem liga para regras, mas que ficou traumatizada com os mestres babacas. Alguns optaram por outros jogos, graças a deus, mas outros abandonaram o hobby de vez. Nem todo mundo tem uma lista de mestres e grupos disponíveis para recorrer.

Mano(a), não seja este cara! Não estrague a diversão alheia, nem manche a imagem dos jogos OSR, por favor. Vai jogar um board game e assume de uma vez o seu perfil competitivo. Seja corajoso e enfrente os outros em pé de igualdade, mas não abuse da sua posição para estragar o jogo da galera.

O mestre bom é sensato e tem um monte de outras qualidades.

O mestre ruim é sensato e não tem tantas qualidades,

Já o mestre babaca é o insensato que age como um mimado .

Pare de se esconder sob a proposta OSR e assuma que é injusto, tirânico e sádico. Tentar fazer isso ser uma prerrogativa do jogo é desleal. Eu fico bem triste ao perceber quanta gente teve sua diversão frustrada por mestres babacas, que ainda tiveram a audácia de falar que isso era do jogo. O desafio é do jogo, a babaquice é do mestre. O TPK é do jogo, lançar um combate de personagens de nivel 1 contra o Tarrasque numa sala sem saída é babaquice.

Sério, não estou aqui pra defender jogador chorão e muito menos incentivando ninguém a ser babá dos personagens, mas é por causa de gente babaca assim que pessoas param de jogar e grupos se dissolvem. Os caras ainda tem a coragem de reclamar de jogadores advogados de regras ou combistas! Putz, com um mestre assassino sádico, não da pra se jogar de outra forma né? O pior é que alguns ainda vem reclamar que os jogadores não fazem prelúdios elaborados ou não se apegam aos personagens, pô cara, pra que isso se os personagens vão ser obliterados por pura babaquice?

Me desculpe se alguém se sentiu ofendido, mas é que eu fico irado quando vejo gente estragando a sagrada atmosfera de diversão, criatividade e socialização que existe sobre as sessões de RPG. Ser mestre é um privilégio para poucos, dá trabalho, cansa e consome todo o seu tempo, mas é maravilhoso! Ser mestre é para quem quer mediar a diversão alheia e não para quem quer abusar dos outros para se divertir. Ser mestre é pra gente legal e não babaca!

O mestre de RPG não é um garoto mimado que precisa do RPG pra se sentir poderoso ao menos uma vez na vida.

Este é o mestre da babaquice! O mestre de RPG é um cara legal pra caceta!

Se seu mestre(a) de jogo é babaca, corre dele e procura outro. Se não tem outro, saia da zona de conforto e tente ser o mestre, mas não se submeta a este tipo de pessoa. Na boa, procura mesa online, joga por fórum ou whatssapp, mas não se submeta a este tipo de mestre doente. A gente marca uma mesa online, ou presencial se você for do RJ, eu te ensino a mestrar, mas não jogue com mestre babaca.

Se seu mestre(a) de jogo é legal e bacana, mesmo que não domine as regras ou não bole aventuras iradas, pague um lanche pra ele valorize-o e o ajude como puder, afinal de contas, a diversão do grupo é de responsabilidade de todos!

 

abraço a todos, deste mestre Old School que adora deixar os personagens ferrados e os jogadores entusiasmados!

 

PEP